Gritos de guerra em todos os lugares: boas-vindas a 2024 com 200 frentes de guerra

Em 2023 ele parte, deixando linhagens que permeiam todo o planeta. Bem-vindo ao nosso mundo caótico 2024 Quase com 200 batalhas. As guerras antigas e novas, entre estados e guerras civis, por um pedaço de terra, por poder, por água, por recursos que criam riqueza, por uma raiz de oliveira, foram esquecidas. Cada vez mais fusíveis estão acesos no barril de pólvora do mundo…

Houve uma época em que a notícia da eclosão da guerra chegou tarde, mas foi verdadeiramente chocante. Hoje, na era da sobrecarga de informações, as notícias chegam em segundos, mas ao mesmo tempo estão virando rotina.

Quase 25 anos depois, o livro do jornalista duas vezes vencedor do Prêmio Pulitzer foi publicado Thomas Friedman “Lexus e Olive”, a sua profecia parece confirmar-se: metade do mundo segue o Lexus (o símbolo do consumo) e a outra metade luta para provar quem é o dono da raiz da oliveira.

Os ventos da guerra sopram em todos os cantos do mundo. E não são só eles. Isto inclui as alterações climáticas, as secas e as inundações, a fome e as epidemias, as catástrofes naturais e o terrorismo, a tortura e as violações dos direitos humanos, a guerra contra as drogas e o tráfico de seres humanos. Muitos dizem que a Terceira Guerra Mundial está aqui.

Tem havido conflitos em curso desde o século passado: conflitos no Médio Oriente desde 1948, em Mianmar (antiga Birmânia) desde 1948, bem como (com o último capítulo no golpe de 2021), entre a Índia e o Paquistão na Caxemira desde 1947, em Moçambique desde 2017 contra os jihadistas, no Congo desde 1999, com mais de cinco milhões de mortos (Controlar as minas de ouro e diamantes é um crime contínuo), eficaz na guerra desde 2017 nos Camarões, desde 2011 na Líbia, e desde 1971 no Afeganistão. A guerra contra os cartéis de drogas no México custou 350 mil vidas desde 2006.

A guerra na Síria dura desde 2011 (mais de 500 mil mortos e mais de 13 milhões de refugiados e 60% da população passam fome), a guerra na Ucrânia desde 2022 e a nova guerra no Médio Oriente, com o ataque de Hamas sobre Israel, em 7 de Outubro, apenas começou e a sua duração será longa.

Diante da ameaça das armas nucleares

A eclosão no Médio Oriente provocou o ressurgimento de todas as guerras existentes, com o devastado Líbano como o elo mais fraco e a Ucrânia a assistir aos piores ataques desde o início da guerra.

Ao mesmo tempo, com total indiferença, a luta pela central nuclear ucraniana de Zaporizhia continua a intensificar-se, nunca antes uma ameaça nuclear esteve à porta da Europa.

READ  Anunciou a extensão do contrato de Alec Peters até 2026

O conflito entre os sérvios e os albaneses do Kosovo na nossa vizinhança dos Balcãs não cessou, enquanto a situação em África é desesperadora.

No Sudão, uma guerra civil eclodiu há oito meses, acrescentando um milhão de pessoas deslocadas internamente todos os meses. Outros sete milhões de pessoas foram deslocadas pela guerra civil no leste do Congo, que faz fronteira com o Ruanda, resultante do genocídio de 1994. Outros dois milhões foram deslocados pela guerra civil na Nigéria.

Ninguém lida com essas guerras ainda.

O Sudão é hoje o país com maior número de deslocados do mundo, enquanto na Somália quase um milhão de pessoas foram forçadas a abandonar as suas casas devido às inundações. No total, a ONU estima o número de pessoas deslocadas internamente em 114 milhões, com 40 milhões delas acrescentadas até 2023.

Oito golpes de estado em África resultaram em guerras civis no espaço de três anos (dois no Burkina Faso, dois no Mali, um na Guiné, no Chade, no Gabão e no Níger). Há guerras civis com as crises humanitárias que lhes estão associadas, enquanto a região do Sahel se rende ao terrorismo islâmico e um país europeu após outro recua.

A Somália está em guerra desde 2004, quando o grupo terrorista jihadista Shebaab foi fundado, a Etiópia está em guerra civil desde o outono de 2020 e está em guerra com a vizinha Eritreia, onde a guerra civil eclodiu em 2020. com a região de Tigray. , que felizmente terminou em novembro de 2022.

A Nigéria e os Camarões vivem sob o terror do Boko Haram. Especialmente nos Camarões há uma guerra civil entre falantes de inglês e de francês.

No Iémen, os combates entre as forças governamentais apoiadas pela Arábia Saudita e os rebeldes Houthi apoiados pelo Irão começaram em 26 de março de 2015. Milhares de ataques aéreos, 40% de casas destruídas, mais de 15 mil mortes de civis, mais de 4 milhões de deslocados internos desde 2017, milhares de crianças mortas ou deslocadas.

Hoje, os Houthis continuam os seus ataques contra navios mercantes no Mar Vermelho, sob o pretexto de uma crise no Médio Oriente.

Não por coincidência, 82% dos 149 milhões de pessoas que enfrentam crises alimentares agudas vivem em zonas de guerra. Este é um aumento de 150% em relação a 2019.

READ  Aaron Taylor-Johnson: O que o novo James Bond tem a ver com 50 Tons de Cinza

Na Ásia, as tensões entre a China e Taiwan estão no vermelho, com o Haiti à mercê de gangues após o assassinato do Presidente Jovenel Moise em Julho de 2021.

A Coreia do Norte continua a ameaçar com armas de destruição maciça.

A Turquia realiza ataques quase diários no Iraque e na Síria.

Da Venezuela ao Cáucaso

Na América Latina, uma nova fonte de ignição surgiu recentemente durante o “referendo” de Maduro para anexar Essequibo, na Venezuela, uma região rica em petróleo que ocupa dois terços do território da Guiana, com a Venezuela. e minerais.

O conflito já dura há 200 anos, com exércitos alinhados em ambos os lados da fronteira. E a Inglaterra enviou um navio de guerra para a Guiana.

A Venezuela sustenta que a fronteira natural deveria ser o rio Essequibo, como foi em 1777 durante o período colonial espanhol. A Guiana afirma que as fronteiras traçadas durante o período colonial britânico foram confirmadas pelo Tribunal Arbitral de Paris em 1899. Séculos depois, o grito de guerra ressoa novamente na região.

No Cáucaso, a crise entre o Azerbaijão e a Arménia continua, apesar das tentativas de um acordo final depois de Baku ter anexado Nagorno-Karabakh e da expulsão de mais de 100.000 arménios. Pode ser o único conflito com esperança de terminar em 2024.

Crise climática e guerras pela água

Como se tudo isto não bastasse, como resultado das alterações climáticas, 2023 é um ano de altas temperaturas e eventos naturais extremos. Há três décadas, 44% dos conflitos ocorriam em países vulneráveis ​​ao clima e agora o número subiu para 67%.

Atualmente existem 300 microbarragens de controle de água em todo o mundo. Há trinta anos, Ismail Serakeldin, então vice-presidente do Banco Mundial, profetizou que as próximas guerras seriam travadas pela água e não pelo petróleo.

Parece que chegou a hora de testar sua teoria. Hoje, mil milhões de pessoas no mundo não têm acesso a água potável. Um recurso raro e vital que se tornará escasso à medida que a população mundial e as secas aumentarem. Estima-se que a procura mundial de água aumentará 40% durante a próxima década, enquanto os recursos diminuirão. Segundo a ONU, cinco mil milhões de pessoas podem sofrer com a escassez de água.

De acordo com o Pacific Institute, em 2020, 140 conflitos hídricos já eclodiram em todo o mundo. Desde as primeiras guerras pela água na Mesopotâmia, há 4.500 anos, eclodiram um total de 1.300 conflitos.

O Egipto, o Sudão e a Etiópia lutam pelas águas do Nilo desde a época de Heródoto.

READ  OLYMPIAGOS: Poroso retorna e verifica sua prontidão

Na década de 2000, um quarto das guerras causadas pela escassez de água localizavam-se no Médio Oriente, no Sul da Ásia e na África Subsariana. Eles têm aumentado desde então. Foram registrados 220 entre 2000 e 2009, 620 entre 2010 e 2020 e 201 entre 2020 e 2022.

Arsenal militar de Mariupol a Burkina Faso

A água também é usada como arma de guerra hoje. De acordo com a denúncia da Comissão Europeia, em várias cidades ucranianas, “os militares russos cortaram deliberadamente o acesso das pessoas à água potável, usaram a ameaça de desidratação para forçar a cidade a render-se e negaram o acesso às necessidades mais básicas”.

A quase 8.000 quilómetros de Mariupol, no Burkina Faso, quase nas mesmas datas, 32 estações de abastecimento de água foram explodidas, deixando 300.000 pessoas sem acesso a este precioso recurso natural.

Países como o Afeganistão e o Chile sofrem secas dramáticas – mais de três anos no Afeganistão, mais de onze anos no Chile. Países como Bolívia, Peru, Equador, Colômbia são considerados de alto risco. O mesmo aconteceu com a Transjordânia e Gaza muito antes do último conflito. e Basra, no Iraque, enquanto os fluxos provenientes do Tigre e do Eufrates são reduzidos para satisfazer as necessidades da Turquia.

O rio Indo é vital para o norte da Índia e do Paquistão, mas tem origem nas montanhas do Tibete, controlado pela China.

Ao mesmo tempo, o processo de dessalinização da água – na bacia do Mediterrâneo – é proibido devido ao aumento dos custos energéticos. Isto leva a um declínio nas colheitas e na produção, levando ao aumento dos preços e a uma crise alimentar. A viticultura enfrenta enormes problemas, pois uma garrafa de vinho requer 800 a 900 litros de água.

Até 2050, espera-se que a população mundial exceda os 9,7 mil milhões e as preocupações com a suficiência de água e alimentos estão a aumentar.

No meio desta paranóia geral… os soldados também acabam. Cada vez mais mercenários estão a ser “empregados” nas frentes de guerra. Depois de o exército privado de Wagner dominar desde África até à Bielorrússia, há relatos crescentes de recrutamento de centenas de milhares de “soldados contratados” espalhados por todo o mundo.

Sessenta anos depois de Frederick Forsyth ter escrito a sua obra-prima, Os Cães de Guerra, os seus uivos ainda chegam aos nossos ouvidos.

* Sofia Voltepsi, Membro do Parlamento pela B3 Sul de Atenas, Vice-Ministra da Imigração e Asilo, Jornalista

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *