Mercado de ações: 3×3 mostra resistência às pressões internacionais

Por Manos Hachladakis

Não só evitou o pior, como a Bolsa de Valores de Atenas também recebeu um sinal positivo.

Em particular, em diversas exchanges, mas em faixa estreita, o DG subiu para 1.425,68 unidades (0,56%), ficou negativo após o anúncio da medida até 1.412,91 unidades (-0,38%), mas finalmente encontrou forças para manter o sinal. +0,18% em 1.420,3 pontos.

O volume de negócios aumentou para 135,74 milhões de euros, mas principalmente devido a 24 pacotes com um valor total de 23,8 milhões de euros (11,6 milhões em 10 pacotes em NBG, 4,5 milhões em 3 pacotes no Pireu, 3 por 3 milhões em OTE). As transações foram de 31,98 milhões de peças.

O índice bancário caiu para 1.218,96 pontos, mas limitou a queda a apenas -0,15% para fechar em 1.232,19 pontos. O FTSE terminou 0,26% mais alto, em 3.440,69, enquanto o FTSEM Mid-Cap terminou -0,48% mais baixo, em 2.327,54.

Com o salto de dois dias do Fed ontem e no dia anterior, essencialmente cobrindo as perdas da semana passada e o mercado recuperando o seu ritmo com um novo máximo recente de 13 anos, essencialmente mantém que não se rendeu a uma viragem de baixa desde hoje. A TTP, no entanto, encontrou forças para continuar a construir um boom à medida que a liquidez se infiltrava em várias blue chips.

Começando pelo OTE, o comércio evoluiu de forma constante com fortes ganhos em todos os setores, com carteiras como PPC na segunda-feira e Mytileneos ontem sendo o destaque ao lado dos bancos.

Outro ponto positivo para a Avenida Atenas é que se tornou positiva pelo segundo dia do clima europeu, mantendo os ganhos da semana mais forte até agora, com os vendedores essencialmente “ociosos”, enquanto as perdas em Frankfurt e Paris ultrapassaram os 0,5%. Nova York 1%.

READ  Procurador declara-se culpado a Raula Bisbrigo pela morte de Georgina

Move-se nas placas

Tal como referido acima, a OTE subiu 2,95% para 14,33 euros e o terceiro maior volume de negócios do terceiro dia, de 13,98 milhões de euros, deu mais apoio ao mercado.

A GEK TERNA fechou nos 16,8 euros +1,57% (2,5 milhões de euros em transações) e a TERNA Energy fechou nos 18,36 euros +1,44% (3,1 milhões), enquanto a Ellactor subiu 1,98% para 2,575 euros (575 euros).

As principais escolhas dos outros compradores no FTSE incluíram Jumbo com +0,99% (3,1 milhões), ELPE com +0,84% (2,1 milhões) e PPC +0,76% com 12 euros (5,73 milhões).

No sector bancário, a Ethniki mostrou-se indiferente às pressões internacionais, mantendo-se finalmente inalterada com +048% com 7,486 euros e 26,3 milhões (principalmente devido a pacotes) com 19,88 milhões com 3,93 euros. Caiu 0,24% para € 1,65 em 10,4 milhões e o Eurobank caiu -0,94% para € 1,89 em negociações de 9,3 milhões, constituindo a maior parte da recuperação de ontem de 5,4%.

Os vendedores no FTSE foram principalmente ELVALHALCOR -2,95%, EYDAP -2,1%, Quest -1,07% e AutoHellas -1,17%, mas o volume de negócios mais baixo foi inferior a 250 mil euros. Todos.

Entre as empresas de média capitalização, a Intralot perdeu impulso inicial (+1,95% para 1.148 euros), mas subiu 0,7% para 1.134 euros, a Intragate ganhou 0,38% e a Alumil ganhou 4,25% para 2,7 euros.

Em contrapartida, a Intracom corrigiu -3% para 3,54 euros, a Profile perdeu 2,5% e a HEXA caiu 0,95%.

A partir daí, a protagonista de março, a Optima, continua a subir hoje +0,5% para 9,68 euros e 1,3 milhões de faturação, l. Venizelos caiu 0,6% para 8,55 euros, para 1,48 milhões.

Por último, é de salientar que no elevado volume de negócios histórico da Centric, de 1,34 milhões de euros, a ação perdeu 9,15%.

READ  Mar Vermelho: Houthis ataca navio de carga e destróier dos EUA – Correio Econômico

Apesar do sinal positivo da DG em todos os setores, os vendedores venceram claramente, com 74 ações caindo contra 49.

A inflação nos EUA está abalando os mercados internacionais

Os investidores nos EUA e na Europa ficaram “emocionados” com os novos dados sobre a inflação na economia mais forte do mundo, talvez inesperados – a aceleração mostrou estimativas ligeiramente mais elevadas, mas mostrou principalmente tendências subjacentes preocupantes.

Em particular, o principal índice de preços ao consumidor dos EUA registou um valor anualizado de 3,5%, face aos 3,2% de Março, enquanto a estimativa média dos analistas apontava para um aumento menor, de 3,4%. Da mesma forma, a inflação subjacente manteve-se inalterada em 3,8%, mas superou as expectativas de uma ligeira descida para 3,7%.

Decepcionante, porém, é o gasto com habitação, que representa 1/3 do peso do índice de preços ao consumidor, que subiu 0,4% em termos mensais e 5,7% em termos anuais.

Isto porque a avaliação de que as pressões sobre os preços relacionadas com a habitação irão moderar ao longo do ano é fundamental para a posição do banco central de que a inflação está a abrandar o suficiente para permitir cortes nas taxas de juro.

Neste clima, os futuros de Wall Street passaram imediatamente para território negativo, os dados foram rapidamente anunciados com perdas superiores a 1%, que continuaram no início do mercado apesar do gradual alívio das pressões.

O Dow Jones caiu -0,9%, o S&P 500 caiu -0,6% e o Nasdaq caiu -0,67%.

Da mesma forma, os mercados na Europa eliminaram ganhos significativos (até 0,8%) e os vendedores assumiram o controlo, mas estão agora a recuperar.

O DAX da Alemanha +0,35%, o CAC 40 da França +0,09%, o FTSE 100 da Grã-Bretanha +0,45% e o Stoxx 50 pan-europeu +0,2%.

READ  Bucs - Pelicans 141-117: Giannis Antetokounmpo e agora... Era dos rios em Milwaukee

No mercado obrigacionista, os rendimentos subiram após o ajuste da inflação, com os títulos a 10 anos dos EUA a 4,495% (aumento de 130 pontos base) e os títulos a 2 anos a 4,937%, enquanto os títulos a 10 anos gregos subiram ligeiramente. 3,332%

O petróleo permanece inalterado, com o Brent cotado a US$ 90 o barril e o WTI a US$ 85,7.

Por fim, o bitcoin recua de US$ 70 mil para US$ 68.700, queda de 1%.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *