Vamos nos preparar para as reviravoltas

Por Kostas Stupas

Vamos nos preparar para as reviravoltas

Em 2024, 2 mil milhões de pessoas em mais de 70 países irão às urnas. As eleições serão realizadas em países como Grã-Bretanha, Bangladesh, Índia, Indonésia, EUA e Taiwan.

De acordo com um inquérito recente da Economist, mais de metade da população mundial viverá em países onde serão realizadas eleições em 2024.

Ver: 2024 será estressante para aqueles que se preocupam com a democracia liberal

Assim, 2024 está a emergir como um ano de eleições, cujos resultados podem, em alguns casos, iniciar avanços e convulsões na cena internacional.

De longe, o confronto mais importante envolveu os Estados Unidos. A América está profundamente polarizada, dividida entre dois extremos que continuam a ganhar força à custa dos moderados.

Ele estava envolvido em pressionar uma multidão para assumir o Congresso sem reconhecer o resultado da eleição anterior e queria concorrer novamente a um presidente mais poderoso. Democracias.

A reeleição de Trump poderá significar deixar a Ucrânia nas mãos da Rússia. Se a Rússia vencer a Ucrânia, algum outro país da Europa Oriental será o próximo.

Muitos temem que, se Donald Trump for reeleito, a América se afaste do campo da democracia e se envolva em relações oportunistas com oligarcas como a Rússia e a Turquia, os líderes autocráticos que o antigo presidente dos EUA admira.

Se algo deste tipo acontecer, os países da UE terão de aumentar as suas despesas com a defesa e cuidar da sua capacidade de dissuasão nuclear. Isto exigirá tempo, mas acima de tudo uma grande reestruturação de custos e poupanças. Fazer isso iria explodir os orçamentos governamentais, os gastos do Estado-providência e os ricos sistemas de pensões.

READ  Dragovski chega a Atenas segundo os italianos

Estas não passarão sem tensões sociais e convulsões políticas.

O resultado eleitoral de Taiwan é também particularmente significativo, uma vez que os três principais partidos divergem sobre como lidar com a ameaça de anexação da China.

2024 será mais um ano em que a Rússia, a Turquia, a China, etc. continuarão o seu cerco à Europa desde a Ucrânia, Arménia, Médio Oriente até ao Norte de África.

Entramos num período de crescentes tensões geopolíticas. Os conflitos internacionais não são um fenómeno novo. Alguns estão sempre em andamento.

O que é diferente no período actual, reminiscente do último período pré-guerra, é que parecem ter por trás de si um plano comum para derrubar os equilíbrios internacionais mais amplos do pós-Guerra Fria.

O principal objectivo é enfraquecer a influência das democracias ocidentais e a sua prosperidade.

Os regimes democráticos estão a tentar demonstrar que podem proporcionar uma prosperidade económica maior e mais sustentável aos seus cidadãos do que a si próprios.

Tentam também interferir nas eleições através das redes sociais para demonstrar as pressões da imigração, o extremismo de direita e o impasse nas sociedades abertas do Ocidente liberal.

2024 reúne todas as condições para se tornar um ano crítico e definidor para estes desenvolvimentos. Um ano que decidirá o que vem a seguir.

[email protected]

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *