Olympiakos: 18 pontos dos bascos na transição, empate perdido sem Walkup e Moneck

Stephanos Makris analisa a derrota do Olympiakos para o Baskonia com Hudl Instat. Acordados com uma mudança recorde negativa este ano em turnovers e pontos, resultando em (e) uma falta, os ataques de 10 segundos dos bascos prejudicaram os “vermelhos e brancos” e Moneck. Dano.

O Olimpíadas Ele não fez isso em Vitória. conheceu Derrota para Baskonia no 21º jogo E Perdeu terreno na batalha para entrar no top 6 da Euroliga.

Os “vermelhos e brancos” mostraram que têm problemas na defesa e no ataque, e agora têm que correr para cobrir o terreno perdido.

O Esportes 24 Hudl analisa derrota do Olympiakos com ajuda do Instat.

Duas entradas negativas, os ataques de 10 segundos de Baskonia e os de Monika

O Baskonia é um time que quer correr. De acordo com o Hudl Instat, os bascos jogam no terceiro ritmo mais rápido da EuroLeague (83,6 posses de bola por jogo), enquanto tentam – de longe – o maior número de tentativas de transição de qualquer outra equipe (surpresa – 11,3 posses de bola, seguido pelo Maccabi com 9,5.) e são os primeiros em pontos marcados na transição (14,05, segundo pontuação real 12,1).

A mensagem é clara: quando uma equipa joga contra uma equipa basca, a falta é proibida (especialmente em bolas “vivas”, ou seja, dando aos bascos a oportunidade de correr para o campo aberto após um roubo) e lembre-se que os bascos correm frequentemente. Eles aceitam mesmo depois da cesta. O Olympiakos sabia disso. Mas ele não conseguiu impedir o mal.

Os “Vermelhos e Brancos” terminaram o torneio com 17 erros, um recorde negativo este ano. Ao mesmo tempo, abriram mão de 18 pontos na transição, segundo o Hudl Instat – seu pior desempenho do ano. No geral, porém, faltou-lhes concentração e velocidade – o que ficou evidente em outro número: Baskonia fez 14 tentativas nos primeiros 10 segundos de uma tacada, marcando 27 pontos em arremessos de 11/14 (7/7 de 2 pontos, 4/5 3 pontos e 1/1 arremesso), marcando mesmo após uma cesta perdida. Aqui está um exemplo:

READ  Procurador declara-se culpado a Raula Bisbrigo pela morte de Georgina

Milutinov marca após Laurentsakis perder a bola.

Baskonia - Olympiakos: 18 pontos dos bascos na conversão, empate perdido sem Walkup e Moneck
Captura de tela

Monique tem a bola do lado do Olympiakos faltando 2 segundos para o fim do ataque basco (22 segundos restantes no cronômetro) e se prepara para ir para a cesta em uma situação de 2 a 2 com Rogaopoulos no Olympiakos Rocket. Corra para a esquina.

Baskonia - Olympiakos: 18 pontos dos bascos na conversão, empate perdido sem Walkup e Moneck
Captura de tela

Moneke vai até a cesta e passa para Rogaopoulos que já está no escanteio.

Baskonia - Olympiakos: 18 pontos dos bascos na conversão, empate perdido sem Walkup e Moneck
Captura de tela

Rogaopoulos acertou uma cesta de três pontos e Baskonia precisou de apenas 5 segundos para iniciar a ofensiva após receber uma cesta.

Baskonia - Olympiakos: 18 pontos dos bascos na conversão, empate perdido sem Walkup e Moneck
Captura de tela

Esta é a Bascônia. Ele corre em todas as oportunidades. Sólido neste estilo está Moneke, um atacante que corre pela quadra como um guarda e constantemente cria situações e joga com os instintos. Muitos torcerão por Howard (21 pontos), mas Monegae (13 pontos, 8 rebotes e 3 assistências para dar a Basque mais 9 pontos) é o motor de Baskonia este ano com a forma como ele se move e cria em quadra. situações, seja para si mesmo ou para seus companheiros de equipe. Não por acaso, ele teve +13 no sistema +/-, o melhor entre seus companheiros.

Aqui está o gráfico de fotos de Monique:

O placar de Sima Monegas contra o Olympiakos

O placar de Sima Monegas contra o Olympiakos
Eurokinissi Sports/Claudian Lato/Hudl Instat

*Os arremessos corretos são marcados com um círculo, os arremessos perdidos são marcados com um “x”.

Aqui estão as maneiras pelas quais ele danificou o Olympiakos:


Falhas acumuladas de walkup e motivo de curto-circuito do Olympiakos

Tem-se falado muito sobre a escalação e seu cansaço nesta temporada. Contra o Baskonia, num jogo em que jogou apenas 13 minutos e 2 segundos (o mínimo da temporada) – ao sofrer duas faltas consecutivas no início do jogo e uma terceira no início do 3º período a caminho do banco. Mais uma vez – mesmo que não estivesse tendo uma boa noite, ele mostrou mais do que qualquer outro momento o quanto é importante.

Wack é um dos melhores jogadores da Europa no controle do ritmo da partida. Ele tem como definir as regras como o Olympiakos gosta, enquanto determina o equilíbrio do ataque da equipe em Preus, alimentando seus companheiros quando e onde quiser.

Contra o Baskonia, o Olympiakos não teve, pois o guarda natural ficou um tempo no banco. Depois que ele entra no ritmo de Baskonia, fica claro que ele não aguenta e paga. A prova mais clara vem de um número simples: dos 27 pontos que Baskonia marcou nos primeiros 10 segundos da corrida, apenas 5 caíram no chão.

Com Walkop no banco, a equipa de Giorgos Bartzokas foi eliminada. Não foi uma tarefa fácil para Williams-Goes, que fez 12 pontos e 8 assistências (dando aos Reds mais 19). No entanto, o Olympiakos precisava de Walkup no terreno para encontrar o equilíbrio no seu ataque, que na sua ausência era mais… centrado no homem do que o habitual. A prova disso é a seguinte: “Vermelhos e Brancos” receberam apenas 8 tentativas em situação de catch-and-shoot (remate de uma paragem), num remate – Olympiakos – normalmente realizado após uma boa rotação da bola.

De acordo com o Hudl Instat, o Pireu teve 11 ataques pick-and-roll onde o dono da bola chutou, 10 posses post-up e 8 posses isoladas. Estas são três situações ofensivas que exigem principalmente iniciativa individual e não trabalho em equipe. Mas o Olympiakos não foi feito para atacar assim.

Isso não significa que os “Vermelhos e Brancos” teriam vencido se não tivessem sido carregados de faltas. Porém, a lógica dita que – pela figura do guarda natural que está no Praes há 2,5 anos – eles terão um equilíbrio melhor na defesa e no ataque. A teoria certamente está longe de ser prática e é verdade que Walkup não parece ter tido uma boa noite. No entanto, é um facto que o ataque do Olympiakos pareceu entrar em curto-circuito e a sua defesa faltou equilíbrio, já que o guarda texano cometia faltas no banco.

Ele perdeu mais terreno

Por razões psicológicas e práticas, o Olympiakos precisava de uma vitória em Vitória, já que as derrotas frente aos bascos foram agora “duplicadas” e precisavam de as evitar em todos os empates possíveis. Enquanto isso, o Pireu está atrás em um possível empate com o Mônaco (diferença de pontos).

Tanto Mônaco quanto Baskonia estão empatados em 7º lugar com Olympiakos (e Partizan) com um recorde de 11-10. Uma posição atrás está o Valencia (10-11), de quem o Olympiakos perdeu no SEF, e que o enfrentará fora de casa na segunda rodada. Agora está claro que a pressão está aumentando para a equipe Brace.

“Vermelho e branco” Eles perderam ainda mais lugar ao perder para o Baskonia. É Janeiro e eles estão à procura, ainda a tentar integrar rostos, suportar a desintegração de actores-chave e clarificar os seus papéis. Mas agora o tempo está se esgotando. Se não houver melhorias nos próximos jogos, o Olympiakos ficará numa posição muito difícil.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *